Poesia, é o que temos para hoje


Faz uma semana que ela te deixou e você ainda não arranjou um novo amor. Para sublimar a dor você viajou na poesia. Escreveu rimas breves e líquidas, como o amor que você sentiu na carne ou viu nas novelas.
Novo sonho, outra perspectiva no olhar, agora você aborda as pessoas nas ruas, praças, feiras e shoppings. Você grita, para plateias apressadas, dizendo que há pouca sensibilidade, pouca vogal, rimas e gramática. Devora Drummond, Pessoa, Adélia Prado, inclusive o diabo, dorme no máximo cinco horas por dia.
No jantar teu amor flertou com outra, o mundo veio abaixo, nada mais fez sentido. 
Nas festas e feiras todo mundo quer beber e dançar canções simplórias e repetitivas, de dor de corno e sexo parcelado a juros altos, sem dar a mínima pra poesia.
Mas você não pode perder o foco. Tens de ser a número um. A sociedade competitiva e sua meritocracia está de olho em você!
Vai, seja o topo da pirâmide social. Tens um nome e talentos a revelar e, se Deus quiser,  o mundo logo vai aplaudir.
Engole o choro, guarde na gaveta o teu sentimento em forma de poema, providencie roupas de marca, retoque a maquiagem e grite para quem quiser ouvir: "Poesia... É o que temos para hoje!"

(Tiradas do Teco, o poeta sonhador)

Imagem do designer polonês Igor Moroski, do site http://www.equilibrioemvida.com/2016/04/designer-cria-imagens-que-nos-convidam-a-filosofar-sobre-a-vida-moderna/.

Clipe