SÓ A PURA VERDADE - Hans Christian Andersen




Hoje em dia, todos temos acesso a todos (internet, celular...). Por todo lugar a informação nos persegue. David Coimbra, no jornal
Z. H. de 20 de agosto de 2010, diz que "a opinião dos outros está sempre pairando diante dos seus olhos. O mundo exterior jamais fica longe de você (...). O assunto do momento não é notícia; é obsessão. As pessoas são contra ou a favor e quem não concorda com elas é inimigo".

Há um provérbio que diz: "Quem conta um conto aumenta um ponto". E outro diz: "Cada cabeça uma sentença". Parece que um dos traços atraentes (e difíceis) da convivência entre as pessoas é a diversidade de opiniões sobre o mesmo fato.

Andersen (1805-1875), que se tornou um clássico da literatura, parece ir nessa direção, no conto Só a pura verdade.
 
 

Que coisa horrível! - disse uma Galinha, no outro extremo da cidade, bem longe do bairro onde a história se passara - é horrível o que houve no galinheiro! Nem arrisco a dormir sozinha esta noite. Ainda bem que somos muitas no poleiro.


E passou a contar o ocorrido, fazendo arrepiar as penas das outras galinhas, a cair a crista do Galo. E era tudo verdade, só a pura verdade.


Mas vamos começar do começo, que ocorreu no extremo oposto da cidade. O Sol desceu e as galinhas subiram. Uma delas, de penas brancas, e pernas curtas, punha os ovos regularmente e, como galinha, era respeitável em todos os sentidos. Chegada ao poleiro, começou a catar-se com o bico. Caiu ao chão uma peninha.


- Lá se foi uma pena! - disse ela - parece que, quanto mais me cato, tanto mais bonita vou ficando - acrescentou, por brincadeira, pois era ela o espírito mais alegre da galinhada, embora fosse, conforme já foi dito, criatura de todo o respeito. E logo adormeceu.


Era escuro ao redor. As galinhas estavam enfileiradas, lado a lado, e a que lhe estava mais próxima não dormia. Ela ouviu, e ao mesmo tempo não ouviu, como convém, para se viver em paz neste mundo. Mas teve, assim mesmo, de confiar à outra vizinha o que ouvira.


- Ouviste o que foi dito aqui! - cochichou - não vou dizer o nome de ninguém, mas há aqui uma Galinha que quer arrancar as próprias penas para ficar bonita. Se eu fosse Galo, a desprezaria.


Logo adiante, pouco acima das galinhas, estava pousada a Coruja, com o Corujão e as corujinhas. Naquela família, sim, todos tinham bons ouvidos. Ouviram cada palavra dita pela Galinha. Viraram os olhos e dona Coruja abanou-se com as asas.


- É feio escutar o que dizem os outros! - começou ela - mas, naturalmente, todos ouviram o que disse a Galinha. Eu o ouvi com os meus próprios ouvidos, e deve-se escutar, antes que caiam as orelhas. Uma das galinhas esqueceu a tal ponto a decência, que está tirando todas as penas e deixa o Galo ver tudo.


- Prenez garde aux enfants! - disse papai Corujão - isso não é conversa para crianças ouvirem.


- Preciso contar o caso à coruja vizinha, senhora séria e respeitável.
Dona Coruja saiu voando.


- Hu-hu! Uhu-uhu-uhu! - riram as duas, juntas, pouco depois.


Achavam-se um pouco acima do pombal do vizinho, e as pombas ouviram-nas comentar o caso:


- Ouviram esta? Ouçam, que esta é muito boa! Há aí uma Galinha que arrancou todas as penas por causa do Galo! Vai morrer de frio, se é que já não morreu. Huuu - huuuu!


- Onde? Onde? Onde? - arrulharam as pombas.


- No galinheiro do vizinho. É como se eu mesma o tivesse visto. É coisa que quase nem se devia contar, pois é um tanto indecente. Mas é a pura verdade!


- Ora, ora, ora! - arrulharam de novo as pombas.


E passaram a história adiante.


- Há uma Galinha - há quem diga que são duas - que arrancou todas as penas para não ser igual às outras e chamar a atenção do Galo. É uma brincadeira arriscada, pois apanhar um resfriado é o que há de mais fácil, e morrer de febre é o que menos custa. De fato, já morreram, as duas...


- Acordem! Acordem! cantou o Galo, voando para o alto do cercado.


O sono ainda lhe pesava nos olhos, mas apesar disso ele cantava:


- Morreram três galinhas, de infeliz paixão por um Galo. Elas arrancaram todas as penas. É uma história muito feia, não quero guardá-la comigo. Que vá adiante!


- Deixa que vá adiante - piaram os morcegos.


- Deixa que vá! Deixa que vá! - cacarejaram as outras galinhas.


A história foi assim circulando, de galinheiro em galinheiro, e, por fim, voltou ao local de onde viera.


- São cinco galinhas - contavam - todas arrancaram as penas para mostrar qual delas tinha emagrecido mais de paixão pelo Galo. Depois brigaram, de tirar sangue, e se mataram de bicadas. Ficaram mortas no terreiro. Foi uma ignomínia para a família delas, e um grande prejuízo para o dono do galinheiro.


Então, a galinha que perdera uma única peninha ao catar-se, não reconheceu a sua própria história, e como fosse uma galinha respeitável, disse lá com os seus botões:


- Desprezo as galinhas como essas. Mas não serão as últimas. Há muitas mais dessa marca. Não se deve silenciar sobre tais coisas. Farei o que eu puder para que essa história saia nos jornais e corra o país todo. É o que merecem essas galinhas e também a família delas.


E a história saiu nos jornais, foi impressa, e uma coisa é verdadeira: uma única peninha pode facilmente transformar-se em cinco galinhas.

Clipe