Pedaços de um caderno manchado de vinho - Charles Bukowski


LEITURA DA SEMANA - Passagens do livro

“Bêbado outra vez num quarto do tamanho de um pacote de biscoitos, sonhando com Shelley e juventude, barbudo, um filho da puta desempregado com uma carteira cheia de bilhetes premiados tão impossíveis de reembolsar quanto os ossos de Shakespeare. Todos odiamos poemas de comiseração e lamúrias de um pobre sofredor – um bom homem pode vencer qualquer parada e saudar a prosperidade (assim nos disseram), mas quantos homens de valor você consegue apanhar num jarro hermeticamente fechado? E quantos poetas de qualidade você consegue encontrar na IBM ou roncando sob os lençóis de uma prostituta de cinqüenta dólares? Mais homens de valor morreram pela poesia do que todos os seus campos de batalha de merda; então se eu cair de bêbado num quarto de quatro dólares: você já ferrou com sua história – deixe que eu me vire com a minha”.

E tendo observado meu pai, aquele monstro brutal que abastardou minha experiência sobre esta triste terra, percebi que um homem podia trabalhar a vida inteira e ainda assim continuar pobre; seus vencimentos se consumiam na compra de coisas que ele precisava, pequenas coisas, como automóveis e camas e rádios e comida e roupas, pelas quais, como as mulheres, pediam mais do que valiam e o mantinham pobre, e até mesmo seu caixão foi um ultraje final à decência: toda aquela bela e lustrosa madeira para os cegos vermes do inferno”.

“Estamos cercados pelos mortos que ocupam posições de poder porque, de maneira a obter esse poder, é necessário que morram. Os mortos são fáceis de encontrar – estão por toda a parte a nossa volta; a dificuldade está em achar os que estão vivos”.

"seu amor é Cuba com uma barba,
uma multidão de dez centavos respirando rum;
seu amor é beisebol de gravata-borboleta
tocando bandolim para Bhahms;
seu amor são gatos agitados em minha mente;
seu amor é um bêbado de gim
e loucos santarrões vendendo panfletos na East First;
seu amor é um traje sob medida numa cela solitária;
seu amor é o naufrágio dos navios,
o torpedo da dúvida;
seu amor é vinho e pintura
e a pintura de Picasso;
seu amor é um urso hibernando no porão de Moulin Rouge;
seu amor é uma torre em ruínas,
destruída pelo raio de Eiffel;
seu amor percorre as colinas
e escala as montanhas
e dispara russos para a lua.
por que
você se
afasta?"
 

Clipe