Se eu fosse um padre



Numa época repleta de tragédias, sabemos que as religiões e a espiritualidade são muito importantes para nos confortar. Como seria difícil os pais enterrarem seus filhos, sem a ajuda da fé...
Por outro lado, vemos a proliferação de igrejas, não apenas de concreto, nas vilas de nossas cidades, mas também nos canais de televisão. Sabemos que tudo isso, em boa medida, não passa de um grande "negócio".
Trago aqui o que pensa o poeta, Mario Quintana, a respeito de Deus. Sem deixar de lembrar que ele brinca com as palavras, inventa e, também, vê Deus como um inventor - certamente bem-humorado, em vez de autoritário e castigador.



Se eu fosse um padre, eu, nos meus sermões,
não falaria em Deus nem no Pecado
— muito menos no Anjo Rebelado
e os encantos das suas seduções,

não citaria santos e profetas:
nada das suas celestiais promessas
ou das suas terríveis maldições...
Se eu fosse um padre eu citaria os poetas,

Rezaria seus versos, os mais belos,
desses que desde a infância me embalaram
e quem me dera que alguns fossem meus!

Porque a poesia purifica a alma
...e um belo poema — ainda que de Deus se aparte —
um belo poema sempre leva a Deus!

O mundo anda muito sério, cheio de "verdades" e dogmáticos que se autoproclamam donos da verdade. É que usam o nome de Deus, e de Jesus", com  a pretensão (falaciosa) de serem o seu porta-voz.
Está em falta, cada vez mais,  a imaginação, a criatividade, o faz de conta - que é muito peculiar  na infância.
O que aconteceu com a gente, para renunciarmos às surpresas (e belezas) da arte, da poesia e da vida?
Acho tudo isso uma renúncia à própria vida!

Clipe