Amor, volto já


O pesadelo de hoje tem nome: Aedes Aegypti. De tanto povoar os noticiários, descoloriu minha vontade de ir pra rua viver o carnaval. Quase invisível, mas tenebroso, ameaça sequelar meus netos e filhos com o zika vírus.
O ministro telefonou pra dizer que conhece a realidade. E deu uma ordem: evitem que se espalhe esse monstro!
Porém, nesta semana o ministro e os mosquitos podem esperar. Amor, volto já. Vou me libertar desta aflição no carnaval, mesmo sabendo que o inseto pode me picar.
Meu pulsar se deixou seduzir pelo ritmo da bateria. Não, não quero perder o bonde da cultura popular. Perco o sono com medo de as novas gerações deixarem de ser gênios e se tornarem retardadas, se o mosquito não for banido da face da terra. Mas por estes dias mente e corpo expurgarão o tormento. Vou saltar pra rua, seguir o bloco da tradição e do inconsciente coletivo.
Ôpa. Meu Bloco de Concreto bateu de frente com um bloco mais prosaico: marmanjos vestindo fraldas geriátricas! E agora, como poderei me alegrar sem antes compreender singela iniciativa? Com suas fraldas, representam bebês ou velhinhos? Estão inaugurando ou no término da vida?
Um amigo diz que eles extravasam impulsos sexuais impublicáveis à luz do dia. Outro conhecido, pelo visto bem informado, diz que o grupo participa de um “Chá de beber” e que, se em Ijuí é novidade, é comum nas grandes cidades. 
Viram só tamanha criatividade? Aqui estamos nós imitando o que acontece em outros lugares!
Grande ideia. Comemorar uma gravidez, a chegada no mundo de um novo ser, reunindo um grupo de machos usando fraldas. Beber, beber, e depois desfilar pelas avenidas, num tremendo buzinaço. Já pensaram se, junto às buzinadas, acrescentarem um foguetório, espalhando o terror pra cima dos velhinhos doentes, bebês de colo e dos bichos, indefesos aos barulhos?

Amor, volto já. Vou ali tentar compreender a curtura popular.

(Tiradas do Teco, o poeta sonhador)

Imagem do site http://revistadonna.clicrbs.com.br/comportamento-2/mulheres-no-carnaval-de-porto-alegre/.

Clipe