Self service do amor


Uns beijam, outros não. Os que iniciaram há mais tempo, sonham atingir o último degrau do amor. Outros, porém, se enfeitiçaram e se enredaram com novas modas.
Basta ter sede para ampliar a lista de contatos, e um bom aparelho que capte os sinais, fascinantes como outdoors.
Seja bem-vindo, apocalipse!
Não há tempo disponível para se arriscar com carinho, amizade, cumplicidade e, enfim, criar vínculos. Abrir pra ela a porta do carro, espalhar bilhetes apaixonados pelos caminhos.
Quando a serpente das “coisas virtuais” seduziu a intimidade dos Adões e Evas atuais, o amor partiu cabisbaixo, convencido de que é um inútil, uma perda de tempo.
Sabores instantâneos no whatsapp. Vídeos para todos os gostos. Performances sexuais, ingênuas ou atrevidas. Câmera do celular ligada, corpos despidos num aposento qualquer. “Abra as pernas, garota! Deixa que eu abro (fecho) portas e janelas. ‘É nóis!!’ Vamos alcançar um milhão de curtidas. Comigo você vai ganhar o mundo!” – diz o cafetão play boy.
Meninos e meninas, no pouco espanto que resta, baixam fotos e vídeos, e compartilham a santa ceia da tecnologia. Repartem o pão e o vinho da nudez sem segredos, sozinhos em seu quarto, atrás da tela do computador.

Neste self service de sabores instantâneos, como massa miojo, quase ninguém percebe um amor genuíno: o passeio, de mãos dadas, do casal de velhinhos.

Clipe